A pandemia do novo coronavírus fez com que as pessoas tivessem que mudar radicalmente as suas rotinas - isso incluiu deixar de visitar parentes no grupo de risco, banhar as compras em álcool 70%, andar menos na rua e, em muitos casos, passar a trabalhar em casa.

Para as empresas, o home office tem sido um aliado: ele permite a redução de custos de deslocamento, mantém a companhia funcionando mesmo quando há medidas de restrição e, além disso, dá ao funcionário mais qualidade de vida.

É fato: quem trabalha em casa pode ter um pouco de dificuldade para se adaptar à nova rotina, mas acaba gostando muito dela com o passar do tempo. 

Uma vez que não é preciso se deslocar pela cidade para chegar ao escritório, algumas horas do dia são economizadas neste processo.

Isso não é tudo: o tempo que não é gasto no trânsito pode ser aproveitado de diversas maneiras. Há quem esteja dormindo um pouco a mais e, assim, diminuindo o cansaço e o estresse. 

Existe, além disso, a possibilidade de usar o tempo extra para se exercitar e cuidar da saúde mental.

É dever das empresas, aliás, apoiar a busca pela saúde mental: doenças dessa ordem são as maiores responsáveis pelo afastamento dos trabalhadores. 

O custo do absenteísmo, para piorar, também é alto. Deve-se, portanto, incentivar sempre os funcionários a buscar ajuda quando necessário.

A prática de atividade física também é uma excelente aliada do bem-estar e contribui para a diminuição de transtornos de ansiedade, para a manutenção do estresse e para a longevidade. 

Felizmente, dá para continuar se exercitando em casa!

Home office e exercícios: por onde começar?

Os alongamentos são fundamentais para que possamos trabalhar em casa sentados sem prejudicar a nossa postura ou gerar dores lombares, nos ombros e no pescoço.

Para começar, sente-se em uma cadeira com a postura ereta e, delicadamente, incline a cabeça para o lado. Segure a sua cabeça, forçando de forma muito suave para baixo por até trinta segundos. Se sentir dor, não exagere: deixe o seu corpo se acostumar.

Ao finalizar esse tempo, faça o movimento para o outro lado. Trata-se de um exercício básico, interessante para gerar relaxamento e cuidar das tensões.


Ainda sentado, estique os braços para cima e mantenha o tronco esticado. Cuidado para não "empinar" o bumbum. Mantenha-se reto, com as mãos para o alto, por trinta segundos. 

Desça devagar. Levanta-se, então, e repita o exercício. Caso consiga, tente também ficar na ponta dos pés.

Na hora de descer, dobre a coluna e deixe os braços e o pescoço relaxados. Tente encostar no joelho, nos tornozelos ou, caso tenha boa flexibilidade, nos pés. Se sentir qualquer desconforto atrás dos joelhos ou pernas, volte um pouco.

Permaneça "enrolado" por trinta segundos. Não contraia ombros ou pescoço; permaneça solto e relaxado, com a respiração profunda. Ao finalizar, retorne a posição de pé devagar - a cabeça deve chegar por último!

Feito isso, prepare as mãos para o dia: massageie as mãos com os dedos da mão oposta, apertando com um pouco de pressão, mas sem nenhuma dor. Abra e feche as mãos algumas vezes, esticando os dedos o máximo que puder.

Evite estalar os dedos, porque não há nenhuma comprovação de que isso faça bem às articulações, embora gere alguma satisfação.

Exercícios leves

Nem todas as casas são equipadas para a prática esportiva, então a melhor opção são os exercícios que usam o peso do corpo e podem ser feitos sem o auxílio de equipamentos externos.

Algumas dicas de exercícios que podem ser feitos, após alongamento:

 Polichinelo: una as pernas. Com os braços estendidos ao lado do corpo, salte. Nessa hora, você deve afastar os pés lateralmente e bater palma sobre a cabeça. Volte para a posição inicial. Faça de 10 a 15 repetições;

 Agachamento caprichado: com as pernas unidas, ponha as mãos na cintura. Prepare-se para dar um passo para o lado, lateralmente. Quando fizer isso, estenda os braços à frente e agache, tomando cuidado para que as coxas fiquem paralelas ao chão. Cuidado para não arrebitar a lombar. Volte para a posição inicial e repita 10 vezes;

 Prancha abdominal frontal: deite-se de barriga para baixo, com os antebraços apoiados no chão. Mantenha as mãos para baixo. Levante o quadril e segure o peso nas pontas dos pés e nos antebraços, sempre com o corpo alinhado e o abdômen contraído. Faça pelo máximo de tempo que puder, todos os dias.